Thor Ragnarok - Atriz Cate Blanchett fala da experiência em interpretar Hela

No início da semana, algumas informações sobre Thor:Ragnarok, foram divulgadas, incluindo algumas fotos e comentários do diretor “Taika Waititi”. Hoje, em entrevista a EW a atriz que vai interpretar a primeira vilã mulher “Cate Blanchett” comentou um pouco sobre seu personagem.

Blanchett interpreta no filme Hela, a primeira mulher antagonista no MCU e “Deusa da Morte”, uma descrição que Blanchett diz que ela acha apto:

Ela chega com muita bagagem. Ela está um pouco confusa … Ela está trancada há milênios, ficando cada vez mais travada, e então, com um erro, ela se solta e ela não está voltando para a caixa.

Ela diz que saltou na possibilidade de se juntar ao MCU e ainda está em um pouco de choque que uma vilã mulher não tinha sido feito antes:

Bem, vamos enfrentá-lo: como uma mulher, essas oportunidades não têm no passado surgir com muita freqüência e eu acho que há uma revolução acontecendo dentro da Marvel. Eu vi tantas franquias da Marvel, particularmente sendo a mãe de quatro. Eles tendem a ser o único tipo de filme especialmente tendo rapazes.

Você acredita nisso? Você pode acreditar que estamos tendo essa conversa e é 2017 e estamos falando sobre a primeira vilã do sexo feminino? É ridículo. Há tanta vilania potencial inexplorada nas mulheres. É realmente emocionante. Acho que finalmente está começando a ser reconhecido que as mulheres e os homens querem ver uma variedade diversificada de personagens, e isso é raça, gênero através do espectro sexual“.

O maior atrativo para ela foi, sem dúvida, começar a trabalhar com a cineasta Taika Waititi. Ela viveu até suas expectativas:

Para mim, como ator, isso é separado, é o meu desejo de trabalhar com [diretor] Taika Waititi … Bem, eu tinha visto o seu filme de vampiros [O Que Fazemos nas Sombras] e “Hunt for the Wilderpeople”. Eu estava tentando colocar minha cabeça em torno da colisão de sua sensibilidade como um diretor e o que existia anteriormente na franquia Thor e eu pensei que vai ser interessante para dizer o mínimo e eu pensei que poderia produzir uma conexão combustível interessante porque tonally seu Trabalho é tão diferente do que existia anteriormente. Obviamente, eles queriam fazer algo fresco e diferente, o que é sempre emocionante.

Ele é meio que parte sumo wrestler, parte showgirl, parte pai que você sempre quis ter. Ele é tão ágil. Eu continuo dizendo a palavra irreverente. Ele leva o trabalho a sério, mas não se leva a sério. Há música no set o tempo todo. Havia hilaridade, mas ele sabia todas as vezes quando se concentrar“.

Ela também falou um pouco sobre o figurino de seu personagem, juntamente com alguns dos poderes que veremos na tela.

Você tem que saber a história do personagem. E há tantas iterações da história de origem. Para qualquer um desses personagens, nunca há uma história de origem. Mas sim, foi realmente interessante para voltar. Na maioria das vezes ela estava mascarada. Então isso é o que eu realmente conversei com a equipe da Marvel e Taika foi quando nós escolheríamos ter ela mascarada e quando ela não seria mascarada … Ela é capaz de manifestar armas. Seu cocar pode ser uma arma. Ela pode manifestar armas de diferentes partes de seu corpo. Eu não vou te dizer qual – eu vou deixar que pendurado.

Asgard é tão bom. Quero dizer, só é preciso ter um pensamento levemente desagradável e você é considerado mal. Todo mundo é muito perfeito. Por que não estragar tudo? É fácil jogar mal, mas, como quando eu estava em Cinderela, como o que faz a madrasta mal é interessante. Então, estava tentando no tempo de tela eu tive que provocar esse material e dar-lhe uma viagem realmente. Então, espero que lhe dêmos uma jornada, como você entende por que Loki está tão estragado quanto ele“.

Thor: Ragnarok estreia em 25 de outubro no Brasil, com direção de Taita Waitiki.

LEIA MAIS
Compartilhe

Recomendado para você: